domingo, 1 de Maio de 2011

Vive mais e melhor cultivando orquídeas

Comecei, de uma forma imprevisível, a me interessar por orquídeas, após regressar do cumprimento do serviço militar em Moçambique e durante o período que procurava emprego,numa visita ao horto municipal de Matosinhos, situado no Freixieiro.Uma planta cultivada em cesta e pendurada no meio da estufa,  chamar-me-ia a atenção, pela sua forma pouco comum e pelo rendilhado que apresentavam numa determinada zona, que mais tarde saberia chamar-se labelum.
Tratava-se da "laelia crispa", que pouco mais tarde conseguiria adquirir, (já não me lembro onde nem a quem e que está comigo há quase 40 anos!).




Assim comecei a desbravar o conhecimento desta família botânica, dizendo que, na época, não foi nada fácil, dada a falta de bibliografia sobre a matéria em Portugal e a que encontrei foi em Francês e Inglês.
Hoje tudo é mais fácil sob o aspeto da obtenção de informação sobre o cultivo destas plantas, porém, não é disto que neste preâmbulo queria abordar.
O tema é o da importância que pode ter na nossa vida, em especial na vida após atingir a 3ª idade, o assumir a responsabilidade de manter algumas destas "jóias",  vivas e felizes.
Na realidade trata-se de uma ocupação "obrigatória" diária (ou quase) da qual não prescindiremos ao fim de pouco tempo, não por obrigação, mas por voluntariedade, diria mesmo, necessidade.
Dou comigo regularmente a fazer controlo de desenvolvimento nas suas diferentes fazes da vida procedendo a medições diárias do comprimento das folhas ou hastes florais e desta forma manter o interesse  e curiosidade na evolução do seu cultivo.
Pensando nisto, sugeriu-se-me o interesse em fazer uma exposição há uns anos na Casa da Cultura de Gaia subordinada ao tema supracitado.
Foram convidados alguns centros de terceira idade para visitar o evento e a minha observação da reação, deu-me para pensar que poderia ser uma terapia ocupacional para pessoas nestes escalões etários.Na realidade a ligação afectiva que se cria entre uma orquídea e um humano,mesmo não generalizando, (tive uma vez um dos maiores empresários que este país tem, dizendo-me que esta minha paixão pelas orquídeas, não passava mais do que o interesse por "catar piolhos" ),é uma ligação afetiva duradoura e muito forte.Aliás, acho até que quando esse interesse acabar, será um indicador do estádio terminal, físico ou mental da pessoa em causa.
Por tal motivo, ( independentemente do meu interesse comercial em particular) recomendo que estimulem essas pessoas com mais idade e sem nada para fazer , a responsabilidade de tomar conta de meia dúzia de orquídeas e eu cá estarei para ajudar.
Como prenda do dia da mãe, apresento uma das mais estranhas cattleyas oriundas do Brasil

2 comentários:

  1. Muito ótima a sua postagem, aliás, além de uma higiene mental, é sabedoria da natureza. Abraços

    ResponderEliminar
  2. Manel! Meu querido amigo.
    Só hoje descobri este divino Blog. Fiquei encantada como sempre com tuas publicações.
    Mais um cantinho para eu poder curtir.
    Beijos.

    ResponderEliminar